Homem moderno ainda tem Síndrome de Peter Pan

A história provavelmente todo mundo já conhece: o menino que se recusa a crescer e envelhecer e vive no mundo encantado da Terra do Nunca. O psicólogo americano Dan Kiley aproveitou o gancho e na década de 80 escreveu um dos maiores sucessos na linha de livros de auto-ajuda, A Síndrome de Peter Pan.

 

Mas será que em pleno século XXI o fenômeno ainda é atual? Segundo a psicóloga Silvana Martani, a síndrome é uma doença, uma predisposição de personalidade que o ambiente e a educação podem ou não acelerar. Por ser uma doença, o fato de o homem atual ser mais sensível não acaberia com a síndrome.

De acordo com a psicóloga, esse fenômeno - ou doença - não tem nada a ver com a questão da maturidade que vem antes para as mulheres do que para os homens. "As meninas, por um motivo biológico, tornam-se mulheres mais cedo, mas isso não quer dizer que os homens não serão maduros e responsáveis; eles se tornarão um pouco mais tarde, mas se tornarão um dia", diz.

O problema surge quando alguns deles se negam a crescer depois de um determinado tempo. Segundo ela, "esse tipo de homem prefere não resolver os problemas. Se precisar, ele resolve, mas ele prefere não ter que resolver."

Esse tipo de atitude acaba atrapalhando os relacionamentos. "No começo, ele é o cara legal, o 'cuca fresca', mas depois isso cansa, porque ele age o tempo todo como o garotão babaca, ninguém agüenta", fala a psicóloga.

Uma mãe supreprotetora pode ajudar a desencadear esse comportamento em quem já tem a predisposição. "A educação e a criação são aceleradores do crescimento, mas elas podem atuar como um elemento não facilitador quando são repressoras", diz.

Para o bem ou para o mal, não há quem não conheça um homem que viva na sua Terra do Nunca.